28
Jul 09

(crítica também publicada na Red Carpet)
 
Confesso que quando o primeiro Harry Potter saiu em 2001 não lhe dei grande importância. A saga à qual dedicava a minha atenção e expectativas era outra: O Senhor dos Anéis. Um ano depois estreiam as sequelas de cada um destes franchises e voltei a optar pelas aventuras na terra média. É a partir do terceiro filme da saga (já sem a temível competição de O Senhor dos Anéis) que me comecei a interessar pelo jovem mago. Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban deu um abanão na série, tornando-a mais séria e negra. Os dois episódios seguintes continuam no mesmo registo e, portanto, agradaram-me igualmente. E foi com este aumento de interesse que fui ver Harry Potter e o Príncipe Misterioso.
 
O filme continua algumas semanas depois de Potter ter confrontado Voldemort e os seus Devoradores da Morte. As férias do mago são interrompidas com a chegada de Dumbledore, que vai busca-lo com o intuito deste o ajudar a recrutar um novo professor para a escola. Depois do sucesso desta pequena missão, Harry junta-se aos seus amigos e começa mais um ano em Hogwarts. Já na escola descobre um livro de poções e feitiços que pertencia a um desconhecido Príncipe Misterioso. Com a ajuda deste livro e dos seus amigos, Potter inicia novas aventuras provocadas pelas maquinações daquele-que-não-pode-ser-nomeado.
 
À partida este seria um filme que tinha tudo para ser óptimo. A história está a aproximar-se do fim, os heróis estão mais adultos e poderosos e as coisas estão a tornar-se cada vez mais sérias. Mas algo aconteceu e fez com que este não fosse um filme com a grandiosidade que eu esperava. A narrativa leva demasiado tempo a desenvolver-se, o que torna o filme parado e aborrecido em alguns momentos. Não fosse o fim ser mais enérgico e nem sei como classificaria esta obra. Obviamente que a história tem que ir crescendo e têm que existir histórias paralelas para que tudo se torne apelativo e interessante, mas acho que todos aqueles casos amorosos são excessivos e, de certa forma, dispensáveis. Ou seja, durante o filme, aconteceram muito poucas situações em que Potter fosse verdadeiramente desafiado, quer física, quer psicologicamente.
 
Mas se deixarmos de parte a estrutura narrativa e analisarmos outros aspectos do filme, então não temos muito a dizer que não seja elogiar. A fotografia está óptima, com muitos tons cinzentos e negros que ajudam a criar o ambiente sombrio que se deseja. Os efeitos especiais são perfeitos, o que, com um orçamento de milhões, seria de esperar. E o elenco, que sempre foi uma mais-valia desta saga, está repleto de bons desempenhos.
 
Em suma, Harry Potter e o Príncipe Misterioso tem o selo de qualidade dos seus predecessores mas deixa um tanto ou quanto a desejar em termos de acção e acontecimentos novos e marcantes. Não deixa por isso de ser um filme a ver, nem que seja para não perder o fio à meada.
 

publicado por Luís Costa às 15:04

8 comentários:
Embora eu só tenha visto o primeiro filme (mas lido todos os livros), parece que, segundo a maioria das opiniões e aqui a sua também corrobora, o que impede POTTER de alcançar a grandeza fílmica é justamente sua rigidez narrativa, que fica em demasia atrelada ás obras de J.K. Rowlings.
Mas, apesar de tudo, a caixa registradora não para de engordar...
Gustavo a 28 de Julho de 2009 às 16:30

Também eu um adepto preferencial do Senhor dos Anéis, fui arrastado às salas de cinema para ver o Harry Potter. Fiquei igualmente com a sensação que a ligação entre o início enfadonho e o final mais movimentado do filme é feita de forma um pouco abrupta.

A tua sinopse é um óptimo cartão de visita para quem está na expectativa, uma vez que, desvendendo um pouco do filme, não lhe retira quaisquer expectativas. ;)
edu a 29 de Julho de 2009 às 15:55

Ora viva!

Nunca li os livros mas gosto e acompanho os filmes mas este último também achei que faltou algum desenvolvimento nas cenas e, claro está, pouca acção. Mais do que um filme, eu diria que é um bom episódio do H.Potter.

Gosto deste blog que há muito visito. Bom trabalho!

Um abraço...
shakermaker

Obrigado pelas visititas shakermaker.
Abraço.
Luís Costa a 4 de Agosto de 2009 às 14:18

:( só nota 3?! Ahh e os casos amorosos é o que faz a coisa ainda mais interessante. Vê-se mesmo que és rapaz ;)
Shanti a 3 de Agosto de 2009 às 05:17

O facto de ser rapaz não tem nada a ver com isso Shanti. Não sejas preconceituosa :P. Eu adoro filmes e cenas românticas, não gosto é de cenas forçadas e lamechas que é o que acontece na maioria dos filmes (nomeadamente nas comédias românticas que usam cliché atrás de cliché).
Luís Costa a 4 de Agosto de 2009 às 14:24

Tenho ido ver todos os Harry Potter desde o primeiro, por "incentivo" de uma amiga minha que na gosta de ir ver sozinha.
Sou mais adepto do Senhor do Aneis, e nunca li nenhum livro do Harry Potter.

Mas mesmo assim tenho apreciado os filmes. E verdade que começo a gostar do fato de estarem a ficar mais negros, também começam a ficar um bocado mais "parados", o que não aprecio tanto.

Já em relação a este ultimo "episodio", até apreciei o filme. Embora um bocado "parado", até conseguiu manter a minha atenção e considero que foi um filme util para juntar muitas peças soltas e criar maior ligação entre tudo e abrir as portas para os proximos filmes.

Considero que foi, sem duvida,melhor que o anterior...esse sim quase me deu sono.

Venham os proximos (sim, que é dividido em dois o proximo, pelos vistos).

Saudações Highfidélicas
Nuno Rocha a 3 de Agosto de 2009 às 14:31

Eu também não desgostei. Dei a nota que dei apenas por ter ficado algo decepcionado. Como alguém diz num comentário anterior: este é um bom episódio do Harry Potter.
Luís Costa a 4 de Agosto de 2009 às 14:25

pesquisar neste blog
 
arquivos
tags

todas as tags

mais sobre mim