19
Nov 06
Titulo português: Doze Homens em Fúria
Ano: 1957
Duração: 96 min
País: USA
Língua: Inglês
Género: Drama / Crime
Realização: Sidney Lumet
Intérpretes:
Henry Fonda
Jack Warden
Lee J. Coob
E.G. Marshall
Jack Klugman
 
Imdb: 8.7/10 (42,477 votes)
RottenTomatoes: 100% Criticas positivas
Trailer




Tagline:  Life Is In Their Hands -- Death Is On Their Minds!


Criticas na Internet

Internacionais:

Roger Ebert, Chicago Sun-Times
Cine Players

 


Prós e Contras

Prós: A excelência das interpretações, a perfeição da realização e a inteligência do argumento. O assunto retratado no filme, e a naturalidade com que o é feito. O facto de nos pôr a pensar.
Contras: Nada.

Comentário Final
Este filme é um "Courtroom Drama" simplesmente genial. É incrível como Sidney Lumet consegue de uma forma tão linear e sem grandes floreados falar dum assunto desta importância e criar um filme tão poderoso e memorável. A premissa do filme é: um crime foi cometido, um jovem suspeito de ter morto o pai à facada é julgado, uma decisão sobre o veredicto tem que ser tomada pelos 12 jurados, com base no que assistiram no julgamento. Com esta premissa, Lumet realiza um filme espectacular que toca vários assuntos, tais como preconceito, racismo, dever cívico, responsabilidade e moral.

É curioso ver como os jurados têm uma personalidade completamente diferente uns dos outros e no entanto, no início 11 dos 12 decidem logo votar num veredicto que dá o acusado com culpado, todos com razões completamente diferentes para o fazerem, como se verifica depois com o decorrer do filme. Dos 12 jurados, apenas o jurado 8 (Henry Fonda) se questiona se as provas apresentadas serão suficientes para considerar o jovem culpado e leva-lo à morte na cadeira eléctrica. Aqui é levantada a questão da “reasonable doubt” (dúvida razoável), que é prevista na lei dos EUA, e diz que se não se tiver a certeza absoluta que um suspeito é culpado deve considerar-se que é inocente.
 
Com o decorrer do tempo e as questões levantadas pelo jurado 8 alguns jurados começam a ter algumas dúvidas e mudam o seu voto, não querendo levar alguém à morte sem ter a certeza absoluta que é culpado. Mas alguns dos jurados não estão convencidos por ainda pensarem que o acusado é mesmo culpado ou apenas porque tem razões pessoais para o fazerem, como preconceito ou rancor.
 
As diferenças de opinião dos jurados fazem-nos pensar nos contrastes do carácter humano, cada jurado cada carácter, cada carácter cada opinião em relação ao caso. Ou seja, não são só os factos que por vezes ditam o resultado final, mas também a forma como cada pessoa olha para esses factos.
 
Em relação aos aspectos mais técnicos do filme, as interpretações são todas excelentes e marcantes e demonstram com firmeza as convicções de cada personagem. É, com certeza, um dos melhores elencos que vi num filme até hoje. Henry Fonda merece destaque mas os outros não ficam muito atrás em termos de qualidade da interpretação.
Em termos cinematográficos o filme consegue ser bastante consistente com boa qualidade e bons planos. A banda sonora passa um pouco ao lado do filme, mas talvez tenha sido esse o objectivo, o filme exige uma banda sonora discreta.
 
Assim, na minha humilde opinião “12 Angry Man” é o melhor filme deste género feito até hoje, e pelo seu poder e mensagem entra para a lista de melhores filmes que tive o prazer de assistir. São obras destas que me fazem gostar ainda mais de cinema e me levam a procurar por mais pérolas como esta na história do cinema.



Nota:

publicado por Luís Costa às 00:01

3 comentários:
Só vi este filme uma vez mas é impossível esquecê-lo. Grandes interpretações para personagens muito bem construídas! Henry Fonda e Lee J. Coob iguais a si próprios!
wastedblues a 23 de Novembro de 2006 às 15:38

como podem gostar de um filme sem u minimu de interese?!?


apenas fui obrigada a ve lo devidu a uma aula de filosofia i mesmu assim e' qase impossivel nna adormecer!

BORING!

ufa! a 19 de Fevereiro de 2008 às 21:40

Ufa!, sem querer ser preconceituoso (mas sendo-o), não acho nada fora do normal o facto de uma pessoa que substitui o "o" por "u" e o "e" por "i" não ter gostado de um filme deste género.

See you in Red Capert.
Luís Costa a 22 de Fevereiro de 2008 às 22:29

pesquisar neste blog
 
arquivos
tags

todas as tags

mais sobre mim